Cuidado com os golpes mais aplicados atualmente:



 “Bença Tia”

O que leva as pessoas a caírem nesse golpe é a vontade de ajudar o familiar. Para aplicar este golpe, o criminoso liga para números aleatórios e quando alguém atende, ele diz “bença tia (o)”. O suspeito se passa por parente da vítima, geralmente sobrinho, e diz que está com o carro quebrado na estrada e que precisa de dinheiro para solucionar o problema. A vítima acreditando que o parente está com dificuldades realiza o depósito. 


Envelope Vazio

Muito usado em compras de alto valores. O estelionatário realiza a compra dos bens e faz o depósito em um envelope sem o dinheiro. Ao apresentar o comprovante de pagamento, a vítima entrega a mercadoria, descobrindo mais tarde que sofreu um golpe.

Neste caso, a vítima deve ficar atenta se o valor do comprovante está ou não     bloqueado e entregar a mercadoria somente quando o valor tiver liberado.


 Prêmios e sorteios 

Geralmente cometido por detentos de dentro presídios com o objetivo de arrecadar créditos de celular. Neste golpe, o criminoso envia uma mensagem de texto dizendo que a pessoa acabou de ganhar, um carro, uma casa ou algum eletrodoméstico e que para receber o bem, basta seguir as instruções contidas na mensagem.

Nas instruções, o golpista pedirá recarga de créditos para celular pré-pago. A vítima acabando comprando crédito de celular para quem está aplicando o golpe.


Falso sequestro

Esse golpe é tratado como extorsão. O autor do golpe liga aleatoriamente para telefones de vítimas e diz que está com o filho/a, exigindo dinheiro para o resgate. Com ameaças de morte e aproveitando a situação de nervosismo, os golpistas acabam convencendo a vítima de que realmente está com alguém de sua família.


Bilhete premiado

Um dos golpes mais antigos aplicados que apresenta duas versões. Para simular um bilhete premiado, o estelionatário pega o número já sorteado da loteria e faz um jogo, conseguindo um comprovante, porém de um sorteio que ainda vai acontecer.

Na primeira versão do golpe, o criminoso aborda uma pessoa na casa lotérica e diz que está com o bilhete premiado e pede para a vítima, olhar, anotar os números e conferir que realmente são os números sorteados. Em seguida, o golpista pede um valor pelo bilhete premiado, uma vez que não pode retirar o prêmio por ter restrições com a Polícia. A vítima acreditando que vai levar vantagem saca a quantia em dinheiro e entrega ao estelionatário em troca do bilhete falso.

Na segunda versão, duas ou três pessoas abordam a vítima e pedem para ela segurarem os seus pertences enquanto vão conferir se o bilhete está premiado. Quando a pessoa volta pergunta para vítima se ela não quer conferir também. A vítima é induzida a deixar seus objetos pessoais com os estelionatários, que desaparecem.

Para não cair nesse golpe, às vítimas devem evitar dar continuidade na conversa quando pessoas estranhas aparecerem falando que estão com um bilhete premiado.


Saidinha de banco

Neste golpe, criminosos observam a movimentação em porta de bancos ou até mesmo se passam por clientes para analisarem as movimentações bancárias que acontecem no interior da Instituição.

Quando encontram alguém que fez saques valores razoáveis, abordam a pessoa e anunciam o assalto.

Esse golpe também funciona quando a vítima está chegando no banco. O criminoso aborda a pessoa ainda do lado de fora e a abriga a realizar saques, a partir de ameaças e prática de atos violentos. 


Vendas de produtos de programas do governo

O estelionatário oferece produtos, geralmente materiais de construção, a preço muito inferior ao de mercado, alegando que são sobras de programas habitacionais do governo. A vítima paga por um pacote de mercadorias que nunca recebe.

A vítima deve sempre desconfiar de propostas de venda de produtos no valor abaixo do mercado. 



Polícia Militar do Estado de Goiás
Av. Anhanguera nº 7.364 - St. Aeroviário - Goiânia
Coronel PM Renato Brum dos Santos
Comandante Geral da Polícia Militar de Goiás (62) 3201-1456